O Cérebro tenta encontrar, na vida real, confirmações para aquilo que você acredita

 

Existe um elemento praticamente imperceptível em nossa personalidade que determina as nossas vidas sem nos darmos conta: as nossas crenças, ou seja, aquilo que acreditamos sobre pessoas, relacionamentos, família, trabalho, sobre nós mesmos, etc. Em geral, as nossas crenças são criadas a partir das nossas experiências, tanto positivas quanto negativas. Já percebeu que geralmente aquilo que vivemos “coincidentemente” confirma aquilo que acreditamos?Já percebeu que geralmente aquilo que vivemos “coincidentemente” confirma aquilo que acreditamos?

Por exemplo: mulheres que acham que todo homem é infiel tendem a se apaixonar por pessoas que traem, já os homens que acreditam que toda mulher se relaciona somente por interesse tendem a se apaixonar justamente por quem os usam. Por que será que isso acontece?

Não, não é carma e nem destino. A ciência demonstrou que nosso cérebro possui uma área chamada “sistema de ativação reticular”, que é responsável por um número gigante de decisões que tomamos a cada segundo. Diante do grande volume de informação que nos chega diariamente através dos nossos sentidos, este sistema decide o que serve para a gente e o que devemos descartar. Mas ele é apenas um executor: quem informa a este sistema o que é importante ou relevante para o nosso futuro imediato são as nossas crenças. O enorme volume de informação, possibilidade e oportunidade restante que decidimos deixar passar é eliminado da nossa experiência da realidade.

Uma vez que nossas crenças indicam a este sistema cerebral o que buscar e reter daquilo que experimentamos, sempre encontraremos na vida real uma confirmação do que acreditamos. Sempre!

Por exemplo, geralmente mulheres que desejam engravidar, mas não conseguem, tendem a encontrar ao seu redor muito mais mulheres grávidas do que as outras (o que as leva a confirmar a crença de que todo mundo engravida menos ela). Isto não é coincidência, carma ou destino: é o nosso cérebro que, orientado pelas nossas crenças, está retendo da realidade aquilo que acreditamos e descartando o que considera “desnecessário”.

E isso se aplica para todas as áreas das nossas vidas. Se você enxergar a si mesmo como uma pessoa que sempre consegue aquilo que deseja, não importa qual seja a sua meta, tenho certeza de que chegará lá. Não por mágica, mas porque seu cérebro (programado pela sua crença) buscará e reterá da sua realidade todo e qualquer pedaço de informação que facilite a sua jornada.Se você enxergar a si mesmo como uma pessoa que sempre consegue aquilo que deseja, não importa qual seja a sua meta, tenho certeza de que chegará lá. Não por mágica, mas porque seu cérebro (programado pela sua crença) buscará e reterá da sua realidade todo e qualquer pedaço de informação que facilite a sua jornada.

Não somente isso: seu cérebro também reterá da realidade toda e qualquer situação onde você tenha determinado e alcançado um objetivo, o que confirmará a sua crença de que é um vencedor, reforçando a sua motivação e o seu comportamento, o que (obviamente) construirá para você resultados diferentes daqueles que acreditam que para eles nada dá certo.

Se deu conta de que este é um ciclo que se autoconfirma? Quanto mais acreditamos em algo, mais encontramos daquilo em nossas vidas.

Se acreditarmos sermos merecedores do que há de bom e de melhor no mundo, encontraremos “provas” constantemente ao nosso redor de que somos realmente merecedores, o que reforçará a nossa crença, afetando o nosso comportamento. Isto, por sua vez, nos aproximará mais e mais do lugar onde desejamos estar. O contrário também é verdade: ao acreditarmos não valer nada, só encontramos pessoas que nos desvalorizam e nos confirmam a nossa ausência de valor, o que afeta o nosso comportamento e gera resultados que não nos favorecem.

Suas crenças são a sua ferramenta na conquista dos seus objetivos. Portanto, elas precisam estar alinhadas aos seus desejos. Se não estiverem, trabalhe para transformá-las. Como fazer isso?

O PROCESSO DE TRANSFORMAÇÃO DE CRENÇAS OCORRE EM 4 FASES

O processo de transformação de crenças ocorre em 4 fases

1 – Aceitação. Tudo em nossa vida é apenas uma história que contamos a nós mesmos e aos que nos rodeiam. Nada é bom ou ruim por si só, e nada é verdade ou existe como tal, independente da gente ou da interpretação que lhes damos. A vida nos oferece várias opções de histórias: podemos ser a profissional executiva bem-sucedida, o patinho feio da família, a vítima sonhadora que sempre tem o coração partido pelos demais, o pai presente, a mãe
abnegada. As opções são inúmeras e é preciso aceitar que a história que você está vivendo é aquela que escolheu para si mesmo. Por ter sido escolhida por você, a qualquer momento é possível escolher uma história diferente para viver. A história que escolheu lhe favorece ou prejudica?

2 – Consciência de si mesmo. Qual história você está vivendo? Onde e quando ela teve início? Seus resultados atuais são apenas um subproduto da história que você escolheu para si. E você só descobrirá a história que escolheu para si se fizer uma
honesta autoinvestigação para analisar fatores encobertos e inconscientes da sua personalidade. Somente embarcando neste processo você poderá transformar os resultados negativos que dominam a sua história.

O processo de transformação de crenças ocorre em 4 fases
3 – Responsabilidade. Agora que você sabe que tudo é apenas uma história e qual está vivendo, é preciso assumir 100% de responsabilidade sobre suas escolhas. Você não é uma vítima: apenas está vivendo aquilo que escolheu viver. Se você não gosta desta história, escolha outra e comece a vivê-la, ainda que os elementos da sua realidade não o confirmem. Tenha certeza de que se continuar escolhendo esta história, ela terminará se concretizando em sua vida. Escolha significados para aquilo que vive que sejam empoderadores, não que diminuam o seu poder e lhe coloquem à mercê dos eventos. Você não pode mudar aquilo que acontece, mas pode escolher o significado que atribuirá a isso, além das partes daquela experiência que serão importantes ao decidir seus próximos passos.
O processo de transformação de crenças ocorre em 4 fases
4 – Adaptação. Toda mudança requer um período de adaptação para se estabelecer e se tornar definitiva. Dentre os quatro estágios, este é o mais fácil, porque se trata apenas de deixar que as coisas se solidifiquem em seus novos lugares. Mas, para alcançar este estágio, você precisa trabalhar duro e ser bem-sucedido nos três estágios anteriores.

COMO DESCONSTRUIR CRENÇAS LIMITADORAS?

ABAIXO, VEJA ALGUMAS DICAS PARA LIDAR COM CRENÇAS LIMITADORAS:

Foque no padrão de comportamento, não na história. Não é tão importante que ele ou ela tenha traído ou abandonado você. O importante é se todos “eles” ou “elas” de sua vida lhe traem ou abandonam. Neste caso, deixa de ser um incidente isolado para se tornar um padrão. E se é um padrão, de alguma forma você está contribuindo para que isto ocorra. Quando foi a primeira vez que isso ocorreu? Que evento o precedeu? Tome distância emocional da situação ou discute-a com alguém de confiança. Talvez isto lhe ajude a ver tudo com mais objetividade.

Como anda a sua autoestima? Os eventos mais marcantes de nossa vida costumam ocorrer até os 7 anos de idade, e é em torno desta idade que ocorre uma grande transformação em nosso sentido de valor pessoal.Os eventos mais marcantes de nossa vida costumam ocorrer até os 7 anos de idade, e é em torno desta idade que ocorre uma grande transformação em nosso sentido de valor pessoal.

Em uma infância saudável, somos o centro da atenção daqueles que nos rodeiam, durante os nossos primeiros anos de vida, o que nos leva a nos sentirmos importantes, valiosos e merecedores do que o mundo tem de melhor para nos oferecer.

Conforme crescemos, a forma como o nosso meio se relaciona com a gente muda: as expectativas são outras, a atenção que recebemos se ajusta a nossa idade, o mundo deixar de girar ao nosso redor e precisamos adaptar a percepção do nosso valor pessoal a esta nova realidade. Nem sempre esta adaptação é bem-sucedida. Alguns, ao não serem mais o centro do mundo daqueles que amam, entendem que não têm valor e que não são merecedores de carinho, afeto ou atenção. Para não sofrer, deixam de esperar mais e aceitam não serem bons o suficiente, o que tem relação direta com os resultados que obterão para aquilo que empreenderem (lembra que sempre encontramos evidência em nossa realidade de tudo aquilo que acreditamos?). E aqui se inicia um padrão que coloca o poder do seu bem-estar na mão dos outros, impedindo-o de lutar por objetivos audaciosos, que façam você feliz

Abaixo, veja algumas dicas para lidar com crenças limitadoras:
Instale a dúvida. Não tenha medo de questionar absolutamente tudo aquilo que até hoje aceitou como verdade incondicional.

Encare toda situação já vivida e por viver como uma escolha. Em algum momento das nossas vidas nós adotamos inconscientemente crenças que nos trouxeram ao lugar onde estamos, seja este bom ou ruim. Este pode não ser o lugar onde você gostaria de estar; ainda assim, é  o lugar que você escolheu. E sendo o lugar que escolheu, no momento em que estiver  preparado você fará uma escolha diferente que o levará a outro lugar. Você tem o poder. A história é sua. Não esqueça disso.

Abaixo, veja algumas dicas para lidar com crenças limitadoras:
Concentre-se nos resultados. Mudar uma história que temos vivido há tantos anos não é fácil. E a ferramenta mais poderosa que temos a nossa disposição para abrir mão do velho e criar espaço para o novo é o nosso próprio desejo por uma vida e um futuro diferentes. Por isso, determinar objetivos claros e resultados concretos, mensuráveis e palpáveis é fundamental para operar mudanças de longo prazo.
Abaixo, veja algumas dicas para lidar com crenças limitadoras:
Pare de se julgue. Ao partir para a autoanálise pessoal, você encontrará em si mesmo muita coisa da qual não se orgulhará. Se for realmente sincero, se dará conta do quanto contribuiu para estar no lugar onde se encontra, o que pode gerar raiva, tristeza, vergonha, entre outras coisas. Não se deixe levar por estes sentimentos: isso é uma cilada! É fundamental poder olhar para a sua própria história com o mesmo carinho que você olharia para a história do seu melhor amigo, sem preconceitos ou julgamentos. Nada do que você fez é certo ou errado: são apenas escolhas que foram feitas de acordo com aquilo que você sabia no momento e com a melhor das intenções. Julgar o seu passado não alterará o seu futuro. O que importa é daqui para frente. Aprenda com o passado, mas continue caminhando.
Abaixo, veja algumas dicas para lidar com crenças limitadoras:
O que você está ganhando com isso? Sabe porque não conseguimos abandonar algumas crenças limitadoras, ainda que elas nos limitem? Por que, de alguma forma, elas nos servem.Sabe porque não conseguimos abandonar algumas crenças limitadoras, ainda que elas nos limitem? Por que, de alguma forma, elas nos servem.

Algum ganho elas nos trazem.

Às vezes, não conseguimos deixar de ser a vítima das nossas vidas porque gostamos da atenção e da pena com a qual os outros nos olham. Em outros momentos, afastamos as pessoas da gente, mesmo sentindo-nos solitários, porque preferimos a dor conhecida à promessa de uma felicidade desconhecida. Os motivos são variados.


Curso Coaching – 5 Sessões de Coaching p/ Profissionais da Beleza

Curso de maquiagem para Lábios

Curso de Maquiagem Make Total, apresentado pela Blogueira e Maquiadora Profissional, Luciane Ferraes

Patrocínio
Anúncios